quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Entrevista com Trotsky Vengarán (Parte 1)

Diretamente da terra do céu de uma só cor, a celeste, a entrevista de hoje foi feita com a banda de Punk Rock uruguaia, Trotsky Vengarán, a banda nasceu em 91 e já tem 11 discos lançados sendo 2 ao vivo.

As músicas da banda são temas variados, normalmente falam da vida e seu cotidiano com seus personagens, não deixando de lado os temas de amor e as canções de protesto!


Conheça um pouco da banda, segue o clipe mais recente do Trotsky vengarán, "Noche de rock".



A seguir a primeira parte da entrevista que fizemos com Cuíco baterista da banda.Aos preguiçosos que querem textos já traduzidos, não me perguntem, se virem para traduzir, não tenho tempo pra isso e o Google está ai pra te ajudar!

Me conte um pouco sobre a história do Trotsky Vengarán e algumas histórias e curiosidade sobre a banda.

Cuico - Te puedo contar como llegué yo a TROTSKY.La banda tenía pocos meses de formada, en la batería estaba Lucas Acevedo (posteriormente baterista de La Vela Puerca) pero tenía una diferencia de edad (apenas 13 o 14 años) muy  grande con respecto a Hugo y Guille y decidieron cambiar de baterista. Nacho Guasch, que era el otro guitarrista de la banda, me conocía del liceo y me llamo para tocar. Lo gracioso del cuento es que le pregunto cuándo ensayábamos y me respondió: “No, tocamos mañana… no te preocupes, los temas son todos iguales y cuadrados…”
Posteriormente Nacho dejó la banda y a partir de ese momento resolvimos seguir solamente como cuarteto: guitarra, bajo, batería y voz.
Desde los comienzos, por el año 1991, y desde que integro la banda, hemos tenido distintos bajistas, pero desde el 2001 hasta ahora, la formación se mantiene la misma, con Héctor Souto en el Bajo.
Nos pasó de tocar para muchísimo público (más de 100.000 personas / Pilsen Rock - Uruguay), para muy pocos (no más de 20 personas y durante muchos años!!! Sobretodo los primeros…) En lugares increíbles, en muchos países de América, el lugares horribles, en escenarios super profesionales, en pubs sin escenario…  compartimos recitales con bandas como los Ramones, Die Toten Hosen, grabamos 11 discos, en los mejores estudios de Argentina, en los peores estudios de Uruguay…  Si me preguntas que cambiaria de la historia con Trostky: nada, Lo haría todo otra vez.

Cuico na gravação do Clipe "Noche de rock"

Como é a cena roqueira no Uruguai? Tem muitas bandas? Muitos espaços para tocar? Como se faz Punk Rock no Uruguai?

Cuico - La movida rockera en Uruguay es muy complicada. Somos un país con apenas 3 millones de habitantes, por lo que girar por todo el país es casi una obligación, si el fin es poder tocar todos los meses… intentar hacerlo solamente en Montevideo, te llevaría a que después de un tiempo ya agotaste el publico y los pocos lugares para poder tocar… te volverias repetitivo, y por lo tanto morirías intentándolo…
Los festivales son algo importante pero cada vez hay menos y tienden a concentrarse en los meses próximos a fin de año o y verano.
El resto del año es salir a pelearla, conseguir lugares que estén interesados en llevarte y tratar de convocar al público. De todas maneras hay un público muy fiel que nos sigue incondicionalmente y es muy gratificante.
Cuando se es una banda del “under”, las complicaciones se multiplican; lo hemos sufrido durante muchos años de nuestra carrera.
Con respecto a los lugares para poder tocar, son muy pocos… lo cierto es que alguno de ellos se han preocupado por brindarle a las bandas un escenario, sonido y luces de primer nivel. Esto no existía hace 10 años.’

Quais os times do respectivos integrantes do Trotsky Vengarán? Qual a relação da banda com o futebol? E como vivem o futebol no Uruguai?

Cuico - Guille es de Nacional y el resto somos de Peñarol… lo que generó una relación de respeto mutuo para evitar las típicas bromas que indudablemente hubieran hecho que termináramos todos peleados!!! Nos encanta el futbol en cualquiera de sus manifestaciones… ya sea jugarlo o verlo.
Obviamente que no nos metemos cuando juega el cuadro del otro… pero si es la selección o algún partido importante de algún otro equipo, es casi un hecho que nos juntamos para verlo.
El futbol en la sociedad uruguaya es muy importante y esto no escapa a nosotros… un partido malo o bueno, puede cambiarnos el ánimo durante la semana, y a la hora de escribir estas detalles sirven para poder contar una historia, o una situación. Escribir una letra que hable de futbol, no es otra cosa que escribir sobre algo cotidiano de nuestras vidas.
Somos de ir mucho a la cancha, putiamos, sufrimos, festejamos…  nosotros más que Guillermo, por supuesto!!!!

Trotsky Vengaran junto a um dos torcedores símbolos do Peñarol, o famoso "Gordo da Columbes"que se refere a uma das arquibancadas do estádio cetenário!

2014 teremos o Mundial, talvez possa acontecer outro Maracanazzo, não?

Cuico - ¿?¿?¿?  jajajja, todo puede ser… nunca hubiéramos pensado que Uruguay iba a terminar 4º en Sudafrica… quien te dice que no terminemos 1º o últimos… con Uruguay, cualquier cosa puede pasar…
Somos muy exitistas, si ganamos somos los mejores, si perdemos somos los peores del mundo!!!!


O que vocês conhecem do Brasil?Alguma banda que gostem?Algum time que tenham ódio?

Cuico - Como banda no conocemos nada de nada… nunca fuimos a tocar a Brasil.
Personalmente estuve en Florianopolis, pero era muy chico…
Bandas conozco las mas populares pero dentro de la música en general… dentro del punk, apenas CPM 22 y Magaivers.
Odié mucho a Branco en la época del 80… Cuando Peñarol y Flamengo disputaron la semifinal de la libertadores en el 82, supe odiarlos… jajaja
Ahora creo que el futbol brasilero esta despegado del resto de América. El lógico que gane case todo. Tienen jugadores, tienen $$$, y sobretodo talento!!!


Agora o mais importante, quando o  Trotsky Vengarán virá a humilde cena de Punk Rock no Brasil?Ja tiveram a oportunidade ou vontade de vir?

Cuico - No hemos tenido la oportunidad. Nos hubiera encantado poder girar por Brasil, conocer bandas, poder hacer conocida nuestra música allá. Supongo que aun estamos a tiempo, aunque la verdad que al estar ya todos con familia, y trabajos, es mas complicado. Pero estaria buenísimo poder escaparnos unos días por lo menos para hacer playa y ver garotas!!!! Jajajaja


Muito obrigado e sorte a banda e que sigam fazendo pogo por onde toquem, se quiser deixar alguma mensagem, fiquem a vontade...

Cuico - Muchas gracias a usted por difundir nuestro trabajo. Ojala nos podamos ver pronto.


É isso ai rapaziada, a América do Sul está cheia de ótimas bandas e o ainda Brasil ainda se limita aos Estados Unidos e esquece da nossa realidade, sendo que temos ao nosso lado tantas coisas de boa qualidade e que nós traz a nossa verdadeira cara da alegria e da tristeza, da festa, do amor e protesto, tudo que tem a nossa cara, nosso sangue!

Somos todos Latinos, Somos todos irmãos!

Uma de suas letras boleiras, a música se chama "Atrás do gol", referindo-se a torcida, que costuma fica nessa parte do estádio atrás do goleiro!



Além dessa música o Trotsky Vengarán tem outra música muito bacana que traz a cultura do futebol e o rock na mesma canção, a música se chama "Hay que saltar"e fala sobre os bairros e seus respectivos times e também na música cita algumas bandas locais e amigas da argentina, então essa é outra boa dica de música pra galera procurar na net!

Segue um vídeo do show ao vivo completo do CD/DVD que eles lançaram no "POGO".



Espero que tenham curtido a entrevista, é isso ai, o futebol e o rock estão muito mais próximos do que você imagina!

Aguardem a parte 2 da entrevista com o guitarrista Hugo Llamarada!

"EXPULSOS DE CAMPO ROMPENDO FRONTEIRAS!"

Abraços e Beijos
El Pibe Gui

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

No que você acredita?

Já faz um tempo venho pensando em algumas coisas sobre as pessoas que defendem o "Não ao futebol moderno", mas antes de chegar a minha teoria quero esclarecer algumas coisas.

O futebol pra mim é um estilo de vida, reflete meu caráter, é minha paixão e através dele eu expresso boa parte do que acredito como ideal pra minha vida.

Não sou a favor da violência, eu acredito sim na rivalidade, mas antes de mais nada o respeito está acima de qualquer coisa, o futebol pra mim não deveria ter lucros seja como for, afinal é um paixão, algo que não pode ser vendido, trocado, roubado ou ser colocado em manutenção.

Hoje muitas pessoas destroem o futebol, jogadores que não tem respeito aos clubes que jogam, diretorias e empresários que são máquinas de fazer dinheiro e lucrar com essa cultura popular, torcidas que se dizem apaixonados, mas que promovem muito mais a violência do que o amor ao clube do qual torce e a repressão policial que acha que proibindo festa vai acabar com a violência.

O futebol está no bairro, na cidade e não tem fronteiras, e é esse o futebol que eu cresci acreditando, que promove as maiores festas do mundo, sem preconceito, que provoca, mas sem desrespeito, que não tem maldade, mas que tem acima de tudo, atitude.

Hoje ser contra o futebol moderno é sinônimo de ódio, mas calma, não me critique, eu mesmo sempre defendi ser contra o futebol moderno e continuo defendendo, mas o que eu acredito não faz parte do mesmo do qual a maioria hoje desse "movimento"defende.

O futebol pra mim é festa na arquibancada e nas ruas, é amor que vai além do time, é um amor a uma cultura local, seu time, sua cidade, seus amigos, a cena que acontece na sua cidade mais sem criar fronteiras a outras culturas, é família e amigos, é raça e rivalidade mais sem violência e sem desrespeito.

Eu venho do movimento punk, não sou um santo, gosto do folclore e histórias onde as pessoas burlam algumas leis, como por exemplo entrar com bandeiras fazendo sátiras aos adversários, de torcida que brigam por direitos e protestam por mudanças, mas algumas pessoas confundem isso com violência, tudo se resume a violência.

Eu não gosta da diretoria atual do meu time do coração, o Santo André, eu não simpatizo com a polícia,  mas eu não simpatizo com pessoas que estão na torcida por status, pessoas que aparecem somente nas boas e nas más nunca aparecem, torcedores fardados que todo jogo quer cobrar a torcida visitante, que pra mim não faz diferença nenhuma entre eles e os porcos fardados.

Futebol é alegria sim, aliás, hoje se fala tanto da alegria no futebol de nossos jogadores, que na verdade não tem nada de alegres, mas sim deboche.

E o futebol é tristeza também, sim, é alegre é samba!certo?mas também é tango, e em nenhum desses ritmos se pode abandonar algo que você diz amar, por isso no fim da contas eu sempre serei punk, porque essa é a minha realidade e como eu vejo o mundo!

Nas ruas, nos estádios, nos shows, em nossas casas, sem fronteiras!

Contra o preconceito, contra a violência, mas pela atitude e pela festa no futebol!

É nisso que acredito, e você?

No que você acredita?








Seja bem-vindo ao Expulsos de Campo

O publicitário, roqueiro e torcedor do Santo André, Guilherme Pibe, traz a visão "underground" de toda cena do futebol e do rock´n roll juntos em um só blog.



Para ver os vídeos do EDC, clique aqui.