terça-feira, 11 de junho de 2013

Entrevista com Mauro Cezar da ESPN


Em breve o blog completa 6 anos e como prometido eu disse que viria uma série de matérias legais, e segue a nossa primeiro, uma entrevista bem bacana com Mauro Cezar, jornalista da ESPN, que carrega o ódio ao futebol moderno junto com sua ideia sobre o futebol atual.
Agora, vocês me perguntam, porque o Mauro Cezar?Simples, ele é o melhor Jornalista da atualidade e carrega com ele boa parte do mesmo ideal do qual o Expulsos de Campo tenta passar nesses 6 anos de blog, o ódio ao futebol moderno!!!


Espero que gostem da entrevista com Mauro Cezar, aproveitem, leiam com atenção, entendam, pesquisem e levem como lição, afinal o futebol NÃO é mercadoria!!!

Hoje o futebol vive uma transição da qual o tradicional torcedor que frequenta o estádio está sofrendo, pois as arquibancadas estão se elitizando, você concorda com essa elitização?

Mauro: De forma alguma. A elitização esfria os estádios, afasta o verdadeiro torcedor, mina as festas das torcidas, as transforma em plateias, como se futebol fosse teatro, mas futebol é muito diferente de teatro, e estão matando-o aos poucos com tais arenas e outras aberrações decididas por cartolas.  

O movimento contra o futebol moderno vêm crescendo a algum tempo, você já se colocou algumas vezes a favor de algumas lutas contra o futebol moderno.Quais são suas críticas ao futebol moderno?


Mauro: Especialmente as limitações das festa feitas pelas torcidas. Não pode bandeira, não pode bateria, não pode papel picado, não pode sinalizador (não me refiro ao naval, que matou o menino Kevin em Oruro, mas sim aquele que provoca apenas efeito visual, sem riscos), não pode pular, não pode cantar, não pode pintar, não pode, não pode, não pode. Futebol é um negócio, mas antes de tudo é paixão, e ela deve ser manifestada nos estádios, com liberdade, com festa. É a atmosfera das arquibancadas que estão matando. Me incomoda também essa situação de jogadores interessados apenas nos ganhos financeiros e nas possibilidades de títulos, pouco ligando para os torcedores que tanto o admiram. Preferem ganhar mais e serem coadjuvantes em determinado clube do se transformarem em ídolos eternos com as mesmas camisas. É preciso entender as mudanças no futebol, mas elas não deveriam, obrigatoriamente, matar o que de melhor ele nos oferece, a paixão e a festa de seus torcedores.


Qual a sua posição com relação a copa do mundo no Brasil?


Mauro: Contra. Se fosse um Mundial realizado com estádios dentro da nossa realidade, ok, mas torrando bilhões para atender às exigências da Fifa e outros interesses, jamais. Vamos herdar estádios novos, modernos, sem alma e caros, além de pouco úteis na massacrante maioria das vezes.

A polícia dentro dos estádios sempre foi um assunto delicado, com históricos de força excessiva e repressão, por outro lado alguns torcedores passam dos limites da paixão para a inconsequência, existe um meio termo?em que não atrapalhe a festa nas arquibancadas e a segurança da família e os demais torcedores?Você concorda que a polícia proibindo a entrada de bandeiras, sinalizadores e instrumentos vai mudar alguma coisa?


Mauro: Como respondi acima, sou contra essas medidas inócuas que apenas servem para dar uma satisfação à parcela da população que vê essas decisões como se fossem de alguém trabalhando por elas. Na realidade, são cortinas-de-fumaça que tiram a beleza do espetáculo, empobrecem o futebol.

Você também é um grande admirador do futebol argentino, conte um pouco como surgiu esse interesse e admiração.


Mauro: Jogam bem, amam o futebol, amam seus clubes, torcem como nenhum outro, cantam sem parar, entendem o futebol como ele é: a melhor invenção do homem e algo sério, muito sério para quem realmente ama um clube e ama esse esporte. Em 1992 vi o Racing perder a final da Supercopa para o Cruzeiro. Venceu em Avellaneda por 1 a 0, mas perdera antes por 0-4 em Belo Horizonte. E daí? Os hinchas apoiavam o time de maneira incondicional, mesmo sabendo que os quatro gols eram praticamente impossíveis. "Isso sim é torcer", foi o que pensei. Então passei acompanhar a Academia, com sua bela história, todo o sofrimento imposto aos seus torcedores e o amor sem igual que eles têm por aquela bela camisa.

Pra finalizar gostaria que você sugerisse alguma história, livro, música da qual você indicaria para a galera que acompanha o blog.


Mauro: Dois livros, "Como o Futebol Explica o Mundo", de Franklin Foer; e "O Clube como vontade e representação", de Bernardo Borges Buarque de Hollanda. 

E dois links: 
http://espn.com.br/blog/maurocezarpereira

É isso Mauro, muito obrigado pelas respostas, sucesso em sua carreira da qual eu particularmente admiro e fica aqui um espaço pra deixar qualquer mensagem que você queira dar aos fãs de seu trabalho e aos amantes do futebol!
 
Mauro: Ódio Eterno ao Futebol Moderno!




segunda-feira, 10 de junho de 2013

6 anos de Expulsos de campo!!!

Em agosto o EDC completa 6 anos de vida contra o futebol moderno, e pra comemorar em agosto lançaremos alguns episódios especiais durante o mês, e um deles vai ser um episódio onde vocês vão poder mandar perguntas que serão respondidas sobre curiosidades sobre o blog, sobre os episódios, sobre algumas ideologias de arquibancada, sobre histórias vividas até hoje no EDC, enfim, portanto se você tem uma pergunta, mande para: gui_ppa@hotmail.com

Abraços
Pibe

sábado, 8 de junho de 2013

Seja bem-vindo ao Expulsos de Campo

O publicitário, roqueiro e torcedor do Santo André, Guilherme Pibe, traz a visão "underground" de toda cena do futebol e do rock´n roll juntos em um só blog.



Para ver os vídeos do EDC, clique aqui.