segunda-feira, 25 de agosto de 2014

A diferença entre a coragem e a covardia, o amor e o futebol.

Não quero que o blog vire um diário pessoal nem um desabafo amoroso hehehe, mas como todos sabem a nossa banca sempre levou o futebol como um reflexo de nossas vidas, aliás, acreditamos que o futebol é uma metáfora da vida.

E o amor talvez seja uma das coisas mais presentes nesses dois mundos, se não for o mais presente, pelo menos é o que sempre ouvimos por ai - "Eu amo meu time" - "É uma paixão pra vida toda", enfim, mais a questão é até que ponto isso é amor?e se realmente for amor, talvez não seja o amor ao que é de fato, mais o que aquilo representa e o que você gostaria que fosse.

Por exemplo, todos torcedores dizem amar seus respectivos clubes, mas até que ponto isso é verdade?

Eu vejo esse amor de uma forma diferente, não acho que na maioria dos casos as pessoas realmente amam seus clubes como dizem, acredito que elas gostem de "SER".É como vestir uma roupa.Você ama ficar de chinelo, mas são poucas as pessoas que vão de chinelo a um lugar público na cidade, concorda?E porque?

Eu particularmente amo meu clube, amo ser andreense também, mas eu só sinto que gosto de verdade quando toda a euforia, raiva e empolgação do jogo acaba e depois de dez minutos voltamos ao nosso estado mental comum e me sinto feliz por ter vivido aquele momento intensamente da forma mais verdadeira e poder relembrar tudo isso com meus amigos, é nesse momento que eu paro e penso.

"Eu amo o Santo André"

Porque ele me promove o sentimento mais real e puro de uma pessoa, ele te leva do céu ao inferno(no meu caso quase sempre ao inferno hehe) e te coloca todo dia em situações diferentes e que te desafia a ser melhor independente de estar ganhando o perdendo, mas que naquele dia, naquele momento houve uma mudança, um sentimento real, uma revolução talvez, e que isso te faz evoluir a cada dia e viver isso cada vez melhor.

Óbvio que tudo isso que disse pode ser uma idiotice, mas é ai que eu vejo o quanto as pessoas tem medo de amar, de achar que esse amor as torna dependente desse sentimento, e não é, porque esse amor não as prende, mais os tornam vivos, intensos, como tudo deveria ser, com respeito, pensando no próximo, com humildade, mais sempre intenso e verdadeiro.

Por isso quando o time perde durante algumas rodadas o estádio mostra quem realmente ama "SER" o que é, quem realmente não estava ali pela vitória, mais pelos momentos que se viveu nas arquibancadas, nas ruas, onde quer que seja, mais que foram intensos, verdadeiros, sem medo de ser o que é, sem medo de viver.

E as pessoas confundem o viver intensamente e verdadeiramente com se desprender desses sentimentos e achando que estão fazendo alguma revolução, mas na verdade só estão sendo covardes fugindo do real.A verdadeira coragem e prova de amor está no desafio em ser fiel aquele sentimento, ao seu time, a garota da sua vida, aos seus amigos, aos seus ideais.

E isso também não significa dependência, isso é amor, isso é amizade, isso é a verdadeira revolução do amor e da coragem de saber o real sentido da palavra COMPANHEIRO!

Viver cada dia ao lado do que você sente ser real, ser fiel aquele sentimento e fazer a revolução no seu próprio mundo, porque é dai que você muda o que está ao seu redor.

Não tenha medo de amar.



Nenhum comentário:

Seja bem-vindo ao Expulsos de Campo

O publicitário, roqueiro e torcedor do Santo André, Guilherme Pibe, traz a visão "underground" de toda cena do futebol e do rock´n roll juntos em um só blog.



Para ver os vídeos do EDC, clique aqui.